Como me tornei vegano

Nesta página quero esclarecer uma das muitas perguntas que recebo. Que é justamente como me tornei vegano. Entendam:

Minhas passadas com o veganismo posso dizer que são bem recentes. Coisa de meses. Eu sempre fui muito familiarizado com o termo "vegetarianismo", pois achava que era o máximo e o praticável. Achava que era humanamente impossível ser vegano. Vejam que bobagem e preconceito da minha parte. E falta de conhecimento. Sou vegano não faz nem um ano e serei pelo resto de minha vida. Afirmando com certeza dos ideais que tenho hoje. 

Já com o vegetarianismo, em especial o ovolactovegetarianismo, eu sempre fui familiarizado. Passei quatro meses sem comer carne e só comendo leite e ovos. Porém eu nunca tinha feito uma pesquisa aprofundada e fui para o erro mais básico de todo mundo que deixa de comer carne: substitui a carne pelos laticínios e ovos. Leve erro e graças a Deus que não foi fatal. 

Hoje, com a mentalidade que tenho, e com todas as pesquisas que acumulei, vejo que fazia tudo errado há alguns anos atrás. Nunca persisti no meu objetivo na época por falta de convicção no meu ideal. Meu pensamento não era forte o suficiente e parei de comer carne (antes) por achar bonitinho. Hoje é diferente. Sei porque parei de consumir carne, leite de vaca e derivados animais. 

Sei porquê. Por quem. Por qual motivo, razão e circunstância. Isso faz toda a iferença nos momentos que meu paladar tende a me provar. Eu não vou dizer a vocês que parei de comer carne porque é ruim. Pelo contrário. Comer carne, o sabor em si quando bem temperada, é um dos melhores sabores que podemos provar. Mas aprendi a reconhecer que meu amor pelos animais, pela minha saúde e pelas pessoas (incluindo também as gerações futuras), e meu amor pelo planeta são mais fortes e importantes que meu paladar. 

Devemos comer com gosto sim, mas também com consciência. Com sentido. Com razão. Não somos máquinas de comida. Penso que quanto mais fazemos ótimas escolhas, e escolhas sustentáveis, mais Deus nos honra e nos abençoa. Ter o veganismo como filosofia de vida me abriu os olhos e me chamou atenção até a uma graduação (Nutrição). Sempre quis Medicina (é meu sonho) e sempre irei querer. Mas nunca tinha reparado em Nutrição e o Veganismo me aproximou bem desta ciência que está em constante atualização e novas descobertas. 

Sempre comi muita carne (em especial peito de frango) e sempre me senti desconexo com o que eu acreditava e defendia. Sempre fui defensor da vida. Sempre fui contra especismo e pena de morte. Até o dia em que pensei: como posso ser defensor da vida e dos direitos humanos quando não estou respeitando o direito dos animais à vida? E melhor: A uma vida de qualidade e bem-estar no seu meio natural quando possível? Questões do gênero ficaram rodando na minha mente por dias. 

Até o momento que vi que quanto mais eu pesquisasse, me conscientizasse, e não fizesse nada a respeito, eu estaria sendo hipócrita comigo mesmo. Pensei que o melhor a se fazer era me tornar vegano direto. Do dia para a noite. E foi o que fiz. Depois de meses de pesquisa rompi o ciclo que eu estava perpetuando e parei de consumir tudo de origem animal. 

Nos primeiros dias tive alguns deslizes. Não em casa, mas nos restaurantes que fui. Errei sem saber, sem ver. Quando chegava em casa via que tinha ovos em tal massa. Leite em tal picolé que dizia só ser de frutas e artesanal. Mas não desisti. Continuei fazendo o mais certo que pude e hoje não erro assim. Quando sei que não tem opções veganas e/ou vegetarianas adaptáveis a mim, nem saio de casa. Algumas privações faz parte. Nem todos os restaurantes estão fazendo pratos para nós. 

Mas te aconselho, e principalmente se você estiver no início da caminhada vegana, em não desistir. Faça em casa suas receitas. O que não falta é variedade na nossa culinária. Tem sabor, tem cheiro bom, tem tempero maravilhoso. Tem tudo. Sem contar nos produtos industrializados (se você quiser incluir na sua alimentação) como calabresa vegana, manteiga e margarina vegana e vegetal, hambúrguer vegano, pizza, sushi, bacon e tudo vegano. Muito mais. 

Vá em algum nutricionista e veja com um profissional como mudar sua alimentação e quem sabe fazer uma dieta de acordo com seus objetivos. Prefira um contato vegano ou vegetariano. Se quiser alguns nomes e números comente em algum post esta sugestão e faço uma postagem especial com vários contatos dentro de Recife e além pelo Brasil. 

Quando comecei a ver que estava fazendo meu corpo de cemitério e não de santuário de flores e plantas, me senti culpado. Culpado por compactuar com tanta violência, por enriquecer o bolso de empresários e produtores que não estão nem aí para a saúde da população no geral e que mascaram até muitos nomes para que não vejamos o veneno que eles colocam em seus produtos. 

Comecei a ver em cada produto de origem animal na minha casa, um rosto de um animal indefeso. Com o amor que tenho pelos animais em especial, aquilo foi uma bomba em mim. Costumo pensar, e não sei se estou de todo certo, que quem realmente ama os animais, para de comê-los. É aquele clichê: "Por que comer uns e amar outros?" que a maioria ignora e finge que não é relacionado. 

Falei aqui um pouco por cima de como me tornei vegano. Sou vegano desde o dia 01 de Março de 2016. Oficialmente, quando me declarei vegano. Alguma dúvida me mandei um e-mail (Veja como aqui) e eu atualizo esta página com a resposta. 

Abraços.